10,99 €
10,99 €
inkl. MwSt.
Sofort per Download lieferbar
0 °P sammeln
10,99 €
10,99 €
inkl. MwSt.
Sofort per Download lieferbar

Alle Infos zum eBook verschenken
0 °P sammeln
Als Download kaufen
10,99 €
inkl. MwSt.
Sofort per Download lieferbar
0 °P sammeln
Jetzt verschenken
10,99 €
inkl. MwSt.
Sofort per Download lieferbar

Alle Infos zum eBook verschenken
0 °P sammeln
  • Format: ePub

Eu que amava tanto o cinema narra o surgimento do Cineclube Estação Botafogo e sua expansão através do olhar e das memórias de um de seus sócios-fundadores, Marcelo França Mendes. A história do Grupo Estação tem início no Rio de Janeiro, na efervescente década de 1980. Eram os tempos da euforia das Diretas Já, do primeiro Rock in Rio, da abertura do Circo Voador e de tantos outros acontecimentos que transformaram a cultura na cidade. Darks conviviam com hippies, a terceira onda do feminismo crescia e os movimentos negro e LGBTQIA+ (na época chamado simplesmente de "movimento gay") buscavam…mehr

  • Geräte: eReader
  • mit Kopierschutz
  • eBook Hilfe
  • Größe: 1.12MB
  • FamilySharing(5)
Produktbeschreibung
Eu que amava tanto o cinema narra o surgimento do Cineclube Estação Botafogo e sua expansão através do olhar e das memórias de um de seus sócios-fundadores, Marcelo França Mendes. A história do Grupo Estação tem início no Rio de Janeiro, na efervescente década de 1980. Eram os tempos da euforia das Diretas Já, do primeiro Rock in Rio, da abertura do Circo Voador e de tantos outros acontecimentos que transformaram a cultura na cidade. Darks conviviam com hippies, a terceira onda do feminismo crescia e os movimentos negro e LGBTQIA+ (na época chamado simplesmente de "movimento gay") buscavam formas de se expressar e ganhar espaço. Nesse ambiente em ebulição, onde se respirava cultura e diversidade, cinco amigos que se reuniam a cada sábado no Cineclube Macunaíma decidiram levar adiante sua paixão pela sétima arte. Sem dinheiro, munidos apenas de vontade e curiosidade, esses jovens viveram a aventura de abrir o seu próprio cineclube. Surgido em 1985, o Coper Botafogo, que no mesmo ano virou Estação Botafogo, era um espaço despretensioso. Mas, em pouco tempo, o Estação iria se transformar em rede de cinemas, distribuidora de filmes, editora e outras tantas coisas. Ao longo de mais de 30 anos, em salas que se espalharam pelo Rio e diversas cidades, gerações de cinéfilos se formaram e mais de 20 milhões de pessoas assistiram a grandes (e também, no melhor dos sentidos, pequenos) filmes. Em tom de crônica, permeando o texto com referências cinematográficas, Marcelo conduz o texto com fluidez, bom-humor e a empolgação de um jovem que teve a vida transformada pelo cinema. Como escreve o jornalista Arthur Dapieve, "a história de Marcelo Mendes não é apenas a história de Marcelo Mendes, é também a história do Cineclube Estação Botafogo. A história do Cineclube Estação Botafogo não é apenas a história do Cineclube Estação Botafogo, é também a história cultural do Rio de Janeiro nos anos 80. Importantes assim. Não é possível dissociá-las."

Dieser Download kann aus rechtlichen Gründen nur mit Rechnungsadresse in A, B, BG, CY, CZ, D, DK, EW, E, FIN, F, GR, H, IRL, I, LT, L, LR, M, NL, PL, P, R, S, SLO, SK ausgeliefert werden.

Autorenporträt
Marcelo França Mendes é carioca, bacharel em cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e professor licenciado da PUC-Rio. Foi um dos fundadores do Grupo Estação (1985) e conduziu atividades como exibição e distribuição cinematográfica, edição de publicações, além da criação de exposições, mostras, retrospectivas e festivais de cinema em mais de três décadas à frente do Grupo. Distribuiu mais de 300 filmes, foi um dos criadores do jornal Tabu (1986-2015) e dos festivais Mostra Banco Nacional de Cinema (1989-95), MostraRio (1996- 98) e Festival do Rio (a partir de 1999), tendo sido diretor de programação de todos esses eventos até 2011. Foi o idealizador da Première Brasil (1995), um dos principais festivais de cinema brasileiro da atualidade, além de diretor de investimentos da RioFilme. Em 2010, recebeu o prêmio Prata da Casa da UFF, homenagem aos ex-alunos com maior destaque profissional na história da instituição. Hoje, atua escrevendo e desenvolvendo projetos de filmes e séries para cinema, TV e streaming.